O cerco esta fechando. A Procuradoria-Geral da República denunciou ao STF a senadora Gleisi Hoffman e o ex-ministro Paulo Bernardo, seu marido, por corrupção e lavagem de dinheiro. O casal é conhecido como padrinhos da República de Paranaguá.

Quem recebeu a propina em nome do casal foi o empresário parnanguara Ernesto Kugler Rodrigues.

   Com a denúncia que o procurador-geral da Republica, Rodrigo Janot, oficializou no STF contra o casal Gleisi / Paulo Bernardo e o empresário parnanguara Ernesto Kugler  por recebimento de propinas de empreiteiras do escândalo “Petrolão” via doleiro Youssef, aumenta a tensão em círculos da política da cidade.

     O doleiro Alberto Youssef disse que entregou  R$ 1 milhão no PolloShop, localizado na rua Camões, em Curitiba, pertencente ao empresário Ernesto Kugler, dinheiro oriundo de empreiteiras a ser usado na campanha da senadora petista. 

    Ernesto Kugler é irmão de Mario Kugler, que foi substituído pelo repórter André Pioli na presidência do diretório Municipal do PT Paranaguá na época em que Gleise era a presidente da sigla no Paraná.

     Nos círculos mais próximos da Operação Lava Jato, comenta-se que houve uma derrama de dinheiro das empreiteiras do Petrolão nas campanhas petistas, especialmente no litoral do Paraná, que contava como articuladores o casal PB/Gleisi e o ex-deputado André Vargas (PT), preso em Pinhais há mais de um ano.

    Inclusive, Gleisi e Paulo Bernardo são chamados entre petistas como casal padrinho da Republica de Paranaguá, porque sempre deram muito apoio financeiro ao candidato petista André Pioli, tanto nas eleições de 2012 como na de 2014.  

     Fica no ar se as investigações já chegaram na origem do dinheiro que financiou as campanhas do PT, como as de Gleisi, André Vargas e a do repórter André Pioli.

    Há suspeitas de que empreiteiras como OAS, Camargo Correa e Engevix, todas envolvidas no escândalo Petrolão, teriam desembolsado grandes volumes de recursos para estas campanhas do PT no litoral do Paraná. 

Isso ainda não foi confirmado pelas investigações que seguem a passos rápidos





Deixe o seu comentário