Ação visa gerar informações ainda mais precisa sobre os pontos com maior incidência do inseto

A Secretaria Municipal de Saúde por meio dos agentes de endemias, tem realizado ações durante todo o ano para combater o Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue e outras doenças. Projetos com empresas e imobiliárias, visitas nas comunidades marítimas, utilização de bomba costal, verificação em residências, terrenos baldios, comércios, entre outras medidas são tomadas em todas as estações do ano. 

Nesta quinta-feira, 15, uma ação de monitoramento foi iniciada com a colocação de 358 armadilhas em pontos estratégicos espalhados pela cidade. As ovitrampas são colocadas em residências comércios e empresas com uma distância de 300 metros entre cada uma delas. 

A ação que conta com o apoio da 1.ª Regional de Saúde, Secretaria Municipal de Segurança por meio da Defesa Civil e Universidade Federal do Paraná (UFPR) servirá para monitorar os locais com maior número de focos do Aedes aegypti. Nos pontos são colocados os potinhos com “dois dedos” de água limpa e uma palheta para que as fêmeas do mosquito depositem seus ovos. Quatro dias após a colocação, a equipe retorna ao local e faz a coleta do material. Essas palhetas são direcionadas à UFPR que, por sua vez, identificará quais são os ovos do Aedes aegypti e de outras espécies de mosquito.

Conforme a Secretaria Municipal de Saúde, a ação ocorrerá o ano inteiro e os dias para a colocação e retirada das ovitrampas já estão programadas. O município já conta com um geoprocessamento e as armadilhas auxiliarão no “raio x” da dengue na cidade. Com essas informações ainda mais precisas, as equipes poderão realizar ações mais específicas de combate ao Aedes aegypti nos locais que apresentarem focos.






Deixe o seu comentário