O corpo do professor de Biologia, Flávio Ávila, de 53 anos foi encontrado nas últimas horas na divisa de Morretes com São José dos Pinhais, próximo ao Parque Nacional do Guaricana.
Foto: João Carlos Frigério/Plantão190

O corpo do professor de Biologia, Flávio Ávila, de 53 anos foi encontrado nas últimas horas na divisa de Morretes com São José dos Pinhais, próximo ao Parque Nacional do Guaricana.

De acordo com informações da Polícia Civil, após eles receberem informações de um amigo da vítima, eles foram até o bairro Boqueirão, onde conseguiram abordar um rapaz que conhecia a vítima. O rapaz foi levado até a DHPP onde acabou confessando saber onde estava o corpo da vítima.

Publicidade

Foto: João Carlos Frigério/Plantão190

Os policiais deslocaram pela BR-277 e 10KM após o pedágio, sentido litoral, na divisa com Morretes, eles entraram em uma estrada na zona rural e percorreram cerca de 500 metros. Às margens desta estrada de chão, em um barranco, foi encontrado o corpo do professor, que estava enrolado em cobertas.

A perícia, papiloscopistas e IML foram até o local e encontraram ferimentos na cabeça da vítima. A vítima estava com as mãos e os pés amarrados com fios de luz. Além disso ele se encontrava com um saco plástico preto amarrado na cabeça e enrolado em uma coberta, e além da coberta haviam várias fitas adesivas enrolando todo o corpo.

Publicidade

Foto: João Carlos Frigério/Plantão190

O rapaz que permanece sendo ouvido pelos policiais da DHPP relatou que não participou da morte do professor, e sim que teria sido um menor, que inclusive estaria com o veículo Captur da vítima. Até o momento nem o menor nem o veículo foram encontrados.

A motivação do crime ainda não foi repassada pela Delegacia de Proteção a Pessoa, que está investigando o caso.

O professor estava desaparecido desde terça-feira (06) quando saiu com seu veículo e não foi mais visto. A família então realizou boletim de ocorrência e pediu ajuda à imprensa para que ele fosse localizado.


João Carlos Frigério

 / Massa News




Publicidade

Deixe o seu comentário