“Sem presente não há futuro, logo precisamos tocar o futuro através do presente”

As vezes fico pensando, porque a sociedade culta por vezes vai contra aquilo que ensina, luta e diz que é verdade?  É claro que essa questão pode colocar em cheque o fato de que as vezes pessoas dizem que são o que não são, e se considerar culto não quer dizer que é o que se é!

Mas se analisarmos o pensamento coletivo, podemos separar nos dias de hoje : Os cultos e os não cultos. Os cultos são aqueles que obtiveram posições de comando e os não cultos são aqueles que são os comandados, isso pode parecer simplista porém qualquer caminho que tomemos chegaremos a este fim, duas classes, e para que as coisas não fiquem vermelhas de raiva devemos olhar com clareza e perceber que isso faz parte também do capitalismo. Para que alguém ganhe, alguém tem que perder, para que alguém viva, alguém tem que morrer, etc.

Mas o problema é que aqueles que são “Os cultos” deveriam no mínimo ser coerentes com seus pensamentos, história, e racionalidade, mas não é o que vemos. Ao que me parece estamos passando por uma inversão onde os Cultos ficaram incultos, e os Incultos assumiram o poder.

Observe: O que mais importa? O presente ou Futuro? É claro que essa é fácil, sem presente não há futuro, logo precisamos tocar o futuro através do presente. Então me pergunto: Se os professores são o presente e os alunos o futuro, porque o futuro dorme no chão frio da escola, enquanto o presente dorme confortavelmente em suas camas quentinhas? De qual fonte brota tal inversão? O que vai ser depois? Quando o barco afundar gritaremos: Primeiro os homens e por últimos crianças, mulheres e idosos? Fica fácil lutar de sua cadeira enquanto são os alunos que tiveram seu ENEM mudado, cancelado, mas é claro vale lembrar que o presente não faz ENEM.

De onde brota esses pensamentos invertidos? Onde a cidade que foi assolada pela dengue se prepara para o carnaval enquanto o mosquito se prepara para fazer o seu carnaval. Onde a preparação para guerra da lugar a diversão, (chega de pão, dizem os romanos), os pensamentos estão invertidos de uma tal forma que daqui a pouco o mosquito que se reproduz em água parada e suja, vai se reproduzir na CAB pois a cor da água e o cheiro já chegou na câmara, e a prefeitura finge que não vê, a sim, lá bebe-se água mineral. Onde é a Cagepar? É inacreditável que não se sabe o que há com água, imagine como deve estar a situação do esgoto?!

Inversões como essa onde a pompa e o paetê valem mais do que a água, nos apontam o quanto estamos sendo alvos de inversões. Espero que o pesadelo termine logo, não sei o que é pior, morrer de sede, sem poder estudar, e amargando a dengue, Deus nos ajude.

Emerson Casburgo - Teólogo e Pastor
https://twitter.com/emersoncasburgo

A publicação deste colunista não reflete, necessariamente, a opinião do Portal Nosso Paraná.

Publicidade


Deixe o seu comentário