Maranata!

Minha vida integral foi no Colégio Zilah Batista, no Porto dos Padres. Muito do meu aprendizado deve-se ao tempo que estive nesses bancos escolares. Uma escola de bairro, que tinha (tem até hoje, é claro!) os melhores professores. Ali aprendi lições que vou levar por toda a minha vida, não só como regras matemáticas, a fórmula de Bhaskara, produção e interpretação de textos, ou ainda conhecimento do mundo e das ciências. Aprendi na 7ª série sobre um homem chamado Martin Luther King Junior.

Martin era filho e neto de pastores, estudou em escolas públicas segregadas e graduou-se, em 1958, no Morehouse College. Pelo Seminário de Teologia Crozer, formou-se teólogo e, em 1955, recebeu o título de doutor em filosofia pela Universidade de Boston (onde conheceu sua esposa Correta Scott com quem teve quatro filhos).

Sua trajetória de vida ficou marcada pela luta contra a segregação racial, cujo movimento começou quando uma senhora negra, de 42 anos, Rosa Parks, no Alabama, em dezembro de 1955. Ela recusou a ceder seu lugar no ônibus a um branco, pois só homens branco podiam ter direito a comodidade no transporte coletivo. Parks precisou pagar fiança de U$14,00 (valor judicial da época nos Estados Unidos).

King Jr. chegou a ser preso, mas a Suprema Corte americana decidiu pelo fim da separação entre raças em transportes coletivos.

O pastor e ativista teve sua casa atacada por bombas e tornou-se referência na luta pelos direitos civis por vias pacíficas. Um dos seus discursos que marcou a história foi: “Eu tenho um sonho. O sonho de ver meus filhos sendo julgados pelo caráter, e não pela cor da pele.” Ganhou o Prêmio Nobel da Paz, em 1967 e foi assassinado por um de seus rivais políticos, em 1968.

E hoje quem é o líder eclesiástico que teria a ousadia de repetir as palavras de Paulo, descritas em I Coríntios 11.1: “Sede meus imitadores, como também eu de Cristo”? Cadê os homens e mulheres de Deus, usados por Deus e que fazem a diferença? Que lutam pelas pessoas mais pobres e o caráter resplandece na sociedade? Na I carta de Paulo a Timóteo tem conselhos ao pastor e você que deseja ser um líder religioso: “Convém, pois que o bispo seja irrepreensível, marido de uma mulher, vigilante, sóbrio, honesto, hospitaleiro e apto para ensinar”.

Desejo ver ainda nesta geração, um povo separado para viver experiências com Deus, um povo que seja exemplo de fé, oração e testemunho. Um grupo de pessoas que dedicam tempo para viver próximo de Jesus e aguardar a Sua volta. 

Sonho em ver, homens e mulheres cheios de esperança no coração que serão luzes de influência levando a verdade para os “cegos” da salvação. Uma geração que cuide do homem simples e leve a paz por onde andar.

Registro aqui minha homenagem a homens de fé, como o Pr. Paschoal Piragine, Pr. Luís Gonçalves e Pr. Ivan Saraiva que nos mostram seriedade em tudo que fazem e zelo nas coisas do Senhor.

Feliz Sábado!

Leandro Mendes
Coordenador Geral do 
Ministério de Universitários Adventistas - ASP
www.facebook.com/leandro.mendes.79219

A publicação deste colunista não reflete, necessariamente, a opinião do portal Nosso Paraná.

Publicidade


Deixe o seu comentário