O governo estadual decretou situação de emergência por causa das ressacas, mas pelo jeito foi só em Matinhos e Guaratuba.

A decretação da situação de emergência dá aos municípios a condição de receber mais rapidamente recursos estaduais e federais para atender as regiões afetadas.

Isso se dá mais agilidade e rapidez à solução dos problemas causados pela ressaca.

Não consigo entender porque Paranaguá e Guaraqueçaba não estariam nesse decreto, pois milhares de pessoas foram atingidas também nesses municípios pelos efeitos da ressaca meteorológica.

Ilha do Mel (Paranaguá), Ilha das Peças e Superagüi (Guaraqueçaba) foram muito atingidas, com danos patrimoniais e na estrutura das praias, inclusive no fornecimento de água potável e assoreamento dos acessos por mar.

Todos os bairros de Paranaguá que margeiam os canais do Itiberê e Emboguaçu tiveram problemas na ressaca e estão com problemas estruturais que precisam de solução rápida, como assoreamento dos canais de águas fluviais, rede de águas pluviais, ruas, manilhas, bocas de lobo, rede de água e esgoto e pavimentação, além dos danos nas residências.

Não consigo entender o motivo pelo qual Paranaguá e Guaraqueçaba, com suas vastas áreas atingidas pelos efeitos da ressaca, não estariam no decreto.

Será talvez porque Guaratuba tenha um deputado intimamente ligado com o governo e porque Matinhos tenha um prefeito que virou o grande aliado do governador nas últimas eleições, desbancando até amigos de décadas, que foram jogados para escanteio nas últimas eleições?

Será?

De qualquer forma, se ficar comprovado que Paranaguá e Guaraqueçaba estão de fora, fica claro e evidente o enfraquecimento político dessas cidades e a subserviência assustadora dos cargos de confiança nomeados pelo governador na cidade de Paranaguá, que não conseguem sequer lutar pelos direitos de suas comunidades.

Segue link da Agência de Notícias do Governo do Estado do Paraná

Fabiano Elias - Advogado
https://twitter.com/fabianoelias


A publicação deste colunista não reflete, necessariamente, a opinião do Portal Nosso Paraná.


Publicidade


Deixe o seu comentário